• Selecione Seu Idioma

FUNVIC participa do Dia Nacional de Mobilização da Educação em combate ao zika vírus

Na tentativa de acabar com a epidemia de zika vírus, que atinge vários países e tem causado pânico, principalmente nas mulheres grávidas, o governo federal através do Ministério da Educação, realizou nesta sexta-feira o Dia Nacional de Mobilização da Educação em mais de 190 mil unidades educacionais em todo o Brasil.

Na FUNVIC – Faculdade de Pindamonhangaba, cerca de mil pessoas entre alunos, professores e funcionários, divididos em três turmas, assistiram uma palestra sobre o tema com Veraniza do Prado, assessora técnica de Saúde da cidade.

“O governo, através de suas esferas federal, estadual e municipal, além do exército, defesa civil entre outras organizações, tem feito uma força tarefa com sala de comando e controle da doença, unidades de saúde capacitadas para atender os infectados, trabalho de eliminação de criadouros nas casas, além de nebulização dos bairros para matar esse inseto. Mas é preciso que cada um faça sua parte, pois 90% dos criadouros estão dentro das casas”, disse Veraniza.

A situação atual é de alerta, e a Organização Mundial de Saúde chegou a declarar emergência global por conta da microcefalia e outras anormalidades neurológicas relacionadas ao zika vírus, que tem se alastrado de maneira assustadora.

Por este motivo, é necessário que todos se unam para exterminar o mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, chikungunya, zika e febre amarela, pois é uma grande ameaça à saúde pública.

Desde o início da última semana, militares das Forças Armadas e agentes de saúde têm feito um mutirão para eliminar focos do mosquito em 270 municípios brasileiros. E as ações não podem parar, pois o Brasil é o país mais afetado pelo zika, que teve desde o início de janeiro 508 casos de microcefalia relacionados ao vírus e outros 3 mil 935 estão sendo investigados, de acordo com o Ministério da Saúde.

Para conseguir distinguir as doenças, a assessora técnica de saúde de Pindamonhangaba alertou para as diferenças dos sintomas de cada enfermidade provocada pelo Aedes Aegypti. “A dengue causa febre alta, dores de cabeça, dores atrás dos olhos, perda do paladar e apetite, manchas e erupções na pele, náuseas e vômitos, tonturas, cansaço, moleza e dor no corpo, além de dores nos ossos e nas articulações”.

“Somente neste ano, até dia 10 de fevereiro, em todo o país, foram registrados 73 mil 872 casos de dengue contra 49 mil 857 no mesmo período do ano passado, ou seja, uma alta de 48,2%”. “Pinda notificou 48 casos e Taubaté 130, porém, para cada caso de dengue notificado, multiplicamos por 10, pois muitos não procuram as unidades de saúde e não conseguimos identificá-los. Quando aparece um caso, passamos por todo o bairro e fazemos nebulização contra o mosquito”, afirmou.

“No caso da chikungunya, a pessoa se curva de dor, os sintomas são mais pesados que os da dengue, com febre, edemas, manifestações cutâneas, dor nas articulações, principalmente nas mãos e pés. Demora cerca de 6 meses para se recuperar”.

“A zika entrou no Brasil no período da Copa do Mundo. Ela pode ser transmitida da mãe para o bebê durante a gravidez, causando microcefalia e problemas neurológicos, através do aleitamento materno, com isso a mãe infectada não poderá amamentar, além da saliva e durante a relação sexual sem camisinha. O que difere da dengue é a conjuntivite, que deixa os olhos vermelhos, inchados e com secreção”, completou.

A zika foi isolada pela primeira vez em macacos do Uganda em 1947 na floresta de Zika, na África. Em humanos, a sua presença foi identificada pela primeira vez em 1954, na Nigéria.

Entre 1951 e 1981, foi detectado em seres humanos em vários países africanos e asiáticos. O primeiro surto da doença fora da África e Ásia aconteceu em 2007 na ilha de Yap, Estados Federados da Micronésia.

Hoje já são 34 países que assinalam a presença do vírus, sendo que desses, 27 estão na América Latina e Caribe.

Por isso, cada um tem que fazer sua parte para acabar de vez com esse mosquito, que se reproduz em qualquer recipiente com água parada, seja ela limpa, suja ou mesmo poluída.