• Selecione Seu Idioma

Dia 22 de março: Dia Mundial da Água

Dia 22 de março é comemorado o Dia Mundial da Água. A data foi instituída em 1992 pela ONU durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, que aconteceu no Rio de Janeiro.

Naquele ano, a ONU elaborou a “Declaração Universal dos Direitos da Água”, que conta com uma série de medidas, sugestões e informações com o intuito de despertar a consciência dos cidadãos sobre a necessidade de preservação dos recursos hídricos e a importância da água para a sobrevivência humana e também para a manutenção da saúde.

De lá pra cá, a data tem sido lembrada anualmente como forma de conscientizar a população global sobre a importância do uso adequado desse bem natural e tão precioso, para que não falte no futuro.

Apesar de o nosso planeta ser repleto de água, estima-se que apenas 0,77% esteja disponível para o consumo humano, que 20% da população mundial não tenha acesso à água limpa e, segundo a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para Infância), cerca de 1400 crianças menores que cinco anos de idade morrem todos os dias em decorrência da falta de água potável, saneamento básico e higiene.

A água é um bem muito precioso, o equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem dela e de seus ciclos. E como forma de conscientizar os alunos e a população do Vale do Paraíba sobre a importância da preservação da água, foi realizado durante todo o dia no Campus Dutra da Faculdade de Pindamonhangaba - Universidade Piloto da UNESCO no Brasil - o I Simpósio do Meio Ambiente da FUNVIC, com palestras de especialistas do setor.

No período da manhã aconteceram duas palestras: uma sobre “Filtro biológico de areia: uma alternativa para potabilidade de água”, ministrada pelo professor Dr. Matheus Diniz Gonçalves Coêlho - coordenador do curso de Farmácia e a segunda com o tema “Controle de Poluição das Águas”, com o professor Me. Orlando Honorato da Silva, da Cetesb de Taubaté.

Já no período noturno, os participantes acompanharam a palestra “Processo do sistema de tratamento de água da SABESP e estratégias de racionalização de uso”, apresentada por Walmir Medeiros –Técnico em gestão/ Setor de serviços ambientais – SABESP Pindamonhangaba.

Na sequência subiu ao palco Duva Leonardo StechBrunelli – coordenador da Câmara Técnica de Educação Ambiental e Mobilização Social do comitê das Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul, que falou sobre “Comitê de bacias hidrográficas e educação ambiental no Vale do Paraíba”.

Na ocasião, Prof Juliano Palhari – Vice Presidente FUNVIC e do CLUBE UNESCO FUNVIC e membro da diretoria da BFUCA – Federação Nacional das Associações, Centros e Clubes UNESCO do Brasil, neste momento representado o Prof Luis Otavio Palhari – respectivamente Presidente da FUNVIC e da BFUCA leu a mensagem de Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO, por ocasião do Dia Mundial da Água.

Abaixo a mensagem de Irina Bokova na íntegra

"A maioria das atividades humanas produz águas residuais, e mais de 80% das águas residuais do mundo são despejadas no meio ambiente sem tratamento. Essa situação não pode mais continuar, segundo a mensagem do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos de 2017. Limitar o despejo na natureza de águas residuais não tratadas permite não somente salvar vidas e fortalecer ecossistemas saudáveis, mas também contribui para o desenvolvimento sustentável.

O acesso à água potável e aos serviços de saneamento é essencial aos direitos humanos, assim como à dignidade e à sobrevivência de mulheres e homens em todo o mundo, sobretudo dos mais desfavorecidos. É indispensável a implementação da Agenda de Desenvolvimento Sustentável até 2030, pois a água inter-relaciona os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e suas metas.

Face a uma demanda crescente, as águas residuais podem constituir uma fonte alternativa confiável: por isso, é necessário modificar a gestão das águas residuais e passar de um modelo de “tratamento e eliminação” para um modelo de “redução, reutilização, reciclagem e recuperação dos recursos”. As águas residuais não devem mais ser consideradas como um problema, mas como uma parte da solução dos desafios que todas as sociedades enfrentam hoje. As águas residuais podem constituir outra fonte de água rentável, durável, segura e confiável para toda uma variedade de usos, tais como: irrigação, atividades industriais ou água potável, sobretudo em um contexto de escassez hídrica. Para que isso aconteça, devemos mudar nossas mentalidades, nos sensibilizar e redobrar os esforços para divulgar as vantagens da reutilização das águas residuais.

A melhoria da gestão das águas residuais deve estar no centro de uma economia circular, de forma a realizar um equilíbrio entre o desenvolvimento, a proteção e a exploração sustentável dos recursos naturais. As vantagens são múltiplas para a segurança alimentar e energética, mas também para a atenuação dos efeitos da mudança climática.

Como a agência das Nações Unidas para as ciências da água e a educação, a UNESCO atua em todas as frentes do Programa Hidrológico Internacional e em sua rede de comitês nacionais, centros e cátedras. Nosso Programa Mundial de Avaliação dos Recursos Hídricos oferece aos governos e à comunidade internacional acesso a informações úteis para a formulação de políticas sobre os recursos mundiais de água potável e utiliza técnicas de vanguarda para o monitoramento dos recursos hídricos, tendo em vista as questões de gênero. Todos esses elementos são indispensáveis para assegurar o sucesso da Agenda de Desenvolvimento Sustentável até 2030.

Em uma época em que a demanda aumenta e os recursos limitados estão sob crescente pressão devido à captação excessiva, à poluição e à mudança climática, não podemos simplesmente negligenciar as oportunidades que oferecem melhorias para a gestão das águas residuais. Não temos condições de desperdiçar as águas residuais. Esta é a mensagem que a UNESCO lança hoje."